Alho: Indicações e Contra Indicações

postado em: Uncategorized | 1

O alho (Allium sativum) é uma planta herbácea de raiz constituída de pequenos bulbos (os famosos dentes de alho) que fazem parte da rotina de muitas cozinhas. Além do valor nutricional, o alho possui inúmeras propriedades terapêuticas com registros conhecidos de sua utilização já no Egito antigo.

Ainda assim, o alho tem sido contra indicado por terapeutas ayurvedas e instrutores de yoga como um tempero que pode causar alguns desequilíbrios. Isso porque trata-se de uma planta rajásica e afrodisíaca, prejudicando a serenidade necessária para a meditação e as práticas devocionais.

Olhando por outro lado, o alho tem inúmeras propriedades terapêuticas dentro da medicina tradicional, tais como: Amebicida, antitrombótica, antiasmática, antibiótica, antifúngica, antiviral, antisséptica, antigripal, anti-hipertensiva, anti-inflamatória, antirreumática, digestiva, carminativa, depurativa, digestiva, diurética, emoliente, estimulante, expectorante, febrífugo, hepatoprotetora, redutora o colesterol e a glicose no sangue, sudorífera, vasodilatadora periférica, vermífuga (solitária e ameba).

Dentro do Ayurveda, trata-se de uma planta que pacifica Vata e Kapha (Agrava Pitta), e possui quase todos os sabores, além de gerar todos os tecidos (Dhatus). Sua atuação se dá com mais intensidade nos sistemas circulatórios, digestivo, nervoso, reprodutivo, e respiratório (Excelente expectorante e tônico do sistema respiratório).

O uso de uma determinada erva como um tratamento (por um período pré-determinado de tempo) é diferente do uso de uma determinada erva como um tempero diário, e o alho é um excelente exemplo de como um tempero contra-indicado pode se mostrar como uma ferramenta terapêutica fantástica. Já dizia Paracelso: “A diferença entre medicamento e veneno é a dose”.

O Ayurveda, como uma racionalidade integral e holística, preconiza que cada indivíduo é único (assim como seus desequilíbrios) e deve ser tratado de maneira individualizada. Portanto devemos sempre analisar riscos e benefícios de cada indicação e/ou tratamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *